As vezes me deparo com algumas pessoas que apedrejam o PHP, e como trabalho com ele fico me perguntando: porque será que isso acontece? Daí percebi que o que não falta são pessoas que compram a ideia de outras pessoas que não sabem o que falam ou falam sem realmente ter certeza, sem mencionar a natureza humana de menosprezar o que o outro faz para tentar engrandecer a si mesmo.

O PHP é uma linguagem fácil de ser aprendida e trabalhada, além de existir muito material disponível gratuitamente e até mesmo em português, principalmente códigos e bibliotecas. Daí vem o problema. Por esse motivo é necessário ter cuidado ao se aprender PHP. Você pode fazê-lo tão seguro quanto o Java (vide Facebook), ou tão falho quanto o sistema de governo brasileiro.

Para o pessoal que está iniciando no PHP e que gosta da linguagem (você é livre pra gostar ou não), não se esqueçam das boas práticas e padrões essenciais na programação, e para auxiliar nisso, Josh Lockhart criou o projeto “PHP
The Right Way“, que atualmente está disponível nos idiomas Inglês, Búlgaro, Chinês (Simplificado), Francês, Alemão, Língua indonésia, Italiano, Japonês, Coreano, Polonês, Português do Brasil, Romeno, Russo, Esloveno, Espanhol, Tailandês, Turco e Ucraniano. Vale a pena dar uma olhada: http://br.phptherightway.com/

Atualmente, cerca de 82% de tudo que existe na web é PHP (segundo pesquisas da W3Techs), um crescimento de 10% comparado a 2010.

Como TODAS as linguagens de programação, o PHP tem suas vantagens e desvantagens, porém sua evolução nos últimos 10 anos trouxe muitas melhorias e corrigiu algumas falhas. Aprenda a extrair o melhor de cada uma.

Se você ainda tem dúvidas sobre a qualidade e potencial do PHP, dê uma olhada no artigo “PHP não presta!?” de Walker de Alencar, onde ele explica sobre a evolução e as melhorias da linguagem nos últimos anos, e tire suas próprias conclusões.